18 de junho é Dia Nacional do Tambor de Crioula. Tradição maranhense que nasceu nas senzalas é patrimônio imaterial do Brasil desde 2007

Por Raquel Setz

O ritmo acelerado da percussão é marca do tambor de crioula, uma tradição cultural maranhense que também é patrimônio imaterial do Brasil. A brincadeira nasceu nas senzalas durante a época da escravidão, como explica Neto de Azile, diretor da Casa do Tambor de Crioula, de São Luís.

“Após o trabalho na lavoura, eles se juntavam e começavam essa batucada, aqui já no Maranhão. Ele não veio da África, da África vieram os escravizados e trouxeram seu modo próprio de visão de mundo, que é essa relação direta com a natureza, e a comemoração, a louvação dos seus deuses através de festas com tambores e animação”.

:: Fé e festa: conheça a tradição do Banho de São João :: 

O tambor de crioula geralmente é ligado à devoção a São Benedito. Até hoje, é comum que as pessoas façam roda de tambor como forma de agradecimento ao santo. Foi assim com a família da professora Sildiléia Melonio, do Tambor de Crioula do Alto São Benedito.

Nos anos 1950, a avó dela organizou uma roda depois que o marido sobreviveu a um acidente de trabalho.

“Aí chamava quem sabia bater, quem sabia cantar, mulheres que sabiam dançar. E formava aquele tambor bem descontraído mesmo, sem compromisso com nada. Era o tambor de amanhecer. Era muita comida, muita fartura”, conta.

No tambor de crioula são usados três instrumentos de percussão: o tambor grande, o meião e o crivador.

Leia Mais

https://www.brasildefato.com.br/2021/06/18/18-de-junho-e-dia-nacional-do-tambor-de-crioula 

Fonte: Brasil de Fato

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui