Licença as Baianas. Dia 25 de Novembro é o dia da Baiana do Acarajé. Muito mais do que uma data comemorativa é uma data que marca a iniciativa de luta das mulheres negras detentoras da cultura do tabuleiro em todo o Brasil.

Em 2005 o ofício das Baianas do Acarajé foi inscrito no Livro de Saberes do IPHAN Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e registrado como bem imaterial.

Baiana do Acarajé. Foto Divulgação IPHAN

“Este bem cultural de natureza imaterial, inscrito no Livro dos Saberes em 2005, é uma prática tradicional de produção e venda, em tabuleiro, das chamadas comidas de baiana, feitas com azeite de dendê e ligadas ao culto dos orixás, amplamente disseminadas na cidade de Salvador, Bahia. Dentre as comidas de baiana destaca-se o acarajé, bolinho de feijão fradinho preparado de maneira artesanal, na qual o feijão é moído em um pilão de pedra (pedra de acarajé), temperado e posteriormente frito no azeite de dendê fervente. Sua receita tem origens no Golfo do Benim, na África Ocidental, tendo sido trazida para o Brasil com a vinda de escravos dessa região.

A feitura das comidas de baiana constitui uma prática cultural de longa continuidade histórica, reiterada no cotidiano dos ritos do candomblé e constituinte de forte fator de identidade na cidade de Salvador. No universo do candomblé, o acarajé é comida sagrada e ritual, ofertada aos orixás, principalmente a Xangô (Alafin, rei de Oyó) e a sua mulher, a rainha Oiá (Iansã), mas também a Obá e aos erês, nos cultos daquela religião”. Fonte: IPHAN

A dimensão do oficio de baiana foi ampliado por elas em razão da atual conjuntura e transcendeu os tabuleiros nesse início de século. A mobilização se converteu em luta política por garantia e extensão dos direitos previstos nos artigos 215 e 216 da Constituição Federal.

Saravá a todas as baianas

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui