A Cultura na implementação da Agenda 2030 e os desafios para as indústrias criativas pós pandemia

Para marcar o Dia Internacional da Diversidade Cultural, comemorado em 21 de maio por decisão da Organização das Nações Unidas (ONU), o Observatório da Diversidade Cultural está realizando o projeto “Diversidade, Cultura e Desenvolvimento: contribuições para os ODS”. A proposta é fomentar o diálogo sobre a diversidade, e especialmente sobre a capacidade da cultura em contribuir para o alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU. Para isto, foram organizadas rodas de conversas virtuais (nos dias 04, 11, 21 e 25 de maio) com representantes de projetos culturais que atuam nas quatro dimensões do desenvolvimento sustentável: social, econômica, ambiental e institucional. Além disso, a partir de hoje o ODC passa a publicar textos que apresentam e refletem sobre esses projetos enquanto exemplos das múltiplas possibilidades e alcance do fazer cultural.


“Ao longo da história, a cultura foi capaz de trazer respostas criativas para os desafios
de nossos tempos”


Audrey Azoulay, Diretora Geral da UNESCO

Por sua inegável força de transformação, a cultura, um dos pilares mais importantes do trabalho desenvolvido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em todo o mundo, constitui-se em um grande acelerador dos processos de desenvolvimento sustentável. Neste Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento é de fundamental importância destacar o papel transformador da cultura e sua amplitude enquanto catalisador da implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). E, dentro desse contexto, ressaltar ainda, os desafios das indústrias criativas no cenário que começa a se desenhar para o período pós pandemia.

A transversalidade da cultura permitiu que o tema, ainda que não tivesse um elemento exclusivamente dedicado à sua temática na Agenda 2030, dentre os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), pudesse ser refletido em boa parte dos objetivos e metas previstos pela Organização das Nações Unidas. Justamente a interconexão dos objetivos e das metas torna a cultura um ponto chave de alguns ODS da Agenda 2030, entre os quais estão os objetivos 8 e 11. O ODS 8 é sobre Trabalho decente e crescimento econômico, e tem como missão promover o crescimento econômico inclusivo e sustentável, e o 11, que inclui em seus objetivos cidades e comunidades sustentáveis, ambiciona tornar tais localidades também mais inclusivas, seguras e resilientes.

O trabalho que a UNESCO promove na área da cultura inclui, seja nos projetos de cooperação internacional ou em suas campanhas, não apenas os ODS aos quais está mais diretamente ligado, como o 8 e 11, mas também o 5, que versa sobre a igualdade de gênero, prioridade global da Organização e que permeia todas as suas ações de maneira geral. Direta ou indiretamente, a cultura constrói um caminho no qual as metas e os objetivos presentes na Agenda 2030 possam ser atingidos no Brasil. A cultura contribui, por exemplo, para erradicar a pobreza buscada no ODS 1. Do mesmo modo, a cultura fortalece a comunicação e as informações para a prevenção de doenças, prevista no ODS 3.

Nesse sentido, as indústrias culturais e criativas tornaram-se essenciais para o crescimento econômico inclusivo, ajudando a reduzir as desigualdades e alcançando as metas estabelecidas na Agenda de Desenvolvimento Sustentável. Contudo, se a implementação dos ODS já representava um desafio para o setor cultural, as dificuldades provocadas pela pandemia da Covid-19, exigiram uma reação imediata não somente dos profissionais ligados à área como dos organismos que trabalham por sua preservação e desenvolvimento, como a UNESCO.


Desde o início da crise sanitária, a UNESCO vem atuando para dar voz à inquietação dos profissionais das indústrias culturais e criativas, que se encontram sem condições de produzir e gerar renda durante a pandemia, e também para assegurar que os projetos de cooperação não fossem paralisados.


No dia 15 de abril de 2020, data em que se comemorava o Dia Mundial da Arte, a UNESCO lançou o movimento global ResiliArt, um debate que reuniu profissionais do setor no mundo inteiro para discutir o papel da arte, dos artistas e suas estratégias de resiliência durante a pandemia. Em um ano o movimento promoveu mais de 240 debates em 110 países. Neste ano de 2021, em comemoração ao primeiro ano do movimento, a UNESCO realizou o webinar ResiliArt Brasil, no mês de abril, para o lançamento da pesquisa “Percepções sobre os Impactos da pandemia de Covid-19 nos setores cultural e criativo no Brasil”.

O evento, que contou com a participação de pesquisadores, artistas e representantes do setor cultural, serviu como ponto de reflexão para ampliarmos a consciência para a relevância da cultura, dos profissionais culturais, a discussão de alternativas para a superação da crise, bem como a identificação de saídas criativas e inovadoras para a retomada do trabalho pós-pandemia.

Neste 21 de maio de 2021, Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em parceria com a UNESCO, realiza em Nova York (EUA) um evento para refletir sobre os aspectos resilientes e transformadores da cultura, sua força aceleradora na implementação dos ODS e o papel resiliente e transformador da cultura como um acelerador da implementação dos ODS, bem como os desafios no âmbito das indústrias culturais e criativas e o ecossistema cultural mais amplo que foram expostos e exacerbados pela crise COVID-19. O evento de Nova York deve trazer relevantes considerações sobre as respostas políticas necessárias para superação da crise, a relação entre a cultura e os ODS no contexto atual, novas parcerias e adaptações das indústrias culturais e criativas, entre outros pontos.

O setor de Cultura da UNESCO busca manter uma articulação fluida com os diversos parceiros das esferas pública e privada brasileiras, incluindo o terceiro setor, para assegurar que não apenas os objetivos e metas da Agenda 2030 sejam cumpridas, mas que os compromissos assumidos pela organização em cada uma de suas convenções seja uma realidade perene. Nesse sentido, é importante ressaltar a relevância dessa parceria com o Observatório da Diversidade Cultural do Brasil, que permite promover os valores da Convenção da UNESCO sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (2005), bem como contribuir para a implementação da Agenda 2030 por meio da cultura.

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui