Foto: Mestre Ferpa/

Segundo o Mestre Almir das Areis em seu livro “O que é Capoeira” lançado pela editora brasiliense em 1983; ela é luta, dança, briga, defesa pessoal, esporte, cultura, arte e folclore. Ela é tudo isso e muito mais. É também música, poesia, festa, brincadeira, diversão. A capoeira é manifestação e expressão de um povo, do oprimido e do homem em geral em busca da sobrevivência, liberdade e dignidade!”

A vida boa, segundo o pensamento moderno, assentado na filosofia de Immanuel Kant tem a ver com o desenvolvimento e valorização de sua vontade, de seus desejos e propósitos, e mais ainda, de seu caráter. O desenvolvimento desses valores estão ligados a uma outra ideia, ou melhor a um outro valor, o da liberdade.

E o que tem a capoeira com a liberdade? Com a vontade, desejo, propósito e caráter? Tudo. A luta, a sobrevivência, a resistência, a supravivência e a (re)existência, são valores dialógicos. Não é possível o desenrolar de uma vida boa, com propósitos, vontade e desejo se não houver o caráter. No mundo contemporâneo, sobretudo na capoeiragem esse valor é uma exigência capital. 

No contexto da capoeira

A pratica e a transmissão do saber da capoeiragem desde os primórdios de seu surgimento, quer na zona rural quer na zona urbana se revela desde sempre como um modo de vida. Um modo de ser, de estar, de pensar e de agir. Esse modo sobreviveu, supraviveu como argumenta o pedagogo Luiz Rufino no livro Encantamento sobre política de vida.

E esse modo de viver tem uma relação umbilical com a liberdade, com o espirito rebelde, contestador e de luta permanente. Razão pela qual, a capoeira ainda hoje é observada com preconceito e desconfiança.

Por ser um modo de estar em comunidade, com significações e simbologias periféricas, se destaca como um instrumento de sobrevivência e ou supravivência. Logo, se trata uma estratégia potente. Essa potência, diferente da racionalidade cartesiana, eurocêntrica, se assenta na reinventividade e criatividade oriunda das Diásporas. A sincope demonstrada brilhantemente por Luiz Antonio Simas em seus livros e palestras em formas de bate papo é um exemplo desse processo que ele classifica como re-existência.

Dito isso, conclui-se que,

 a Capoeira é uma filosofia de vida; que cria, desenvolve e estabelece costumes e práticas,

em contraposição àquelas institucionalizadas pelo poder central e canônico de acordo com Simas.

A vida cotidiana de um Capoeira

A Capoeira e o capoeira propõem o jogo cuja relevância é a brincadeira com o corpo. Uma brincadeira divertida e perigosa. A que se conhecer a gramática da capoeira. O que ela significa no jogo dentro de uma roda, ou na rua no dia a dia. Para que se possa brincar com segurança, a malícia sugere um pouco de fundamento.

Independente do espaço em que se joga, a exigência é uma só, sabedoria. Tê-la implica na obtenção de um repertório vasto. A vastidão nesse caso, em geral, nada tem a ver com o conhecimento enciclopédico ou erudito, e sim, com relação aos aprendizados da rua, com todo o seu grau de dificuldade e sofisticação.

Capoeirar eu diria, exige mais do que pernadas e saltos ornamentais. Exige-se um domínio suficiente das palavras. As palavras na dimensão da capoeiragem transcendem o domínio do ABC conforme canta mestre Suassuana na composição de Mestre Kim. A letra A por exemplo carrega dentro da vadiação um significado libertador em todos os sentidos.

Alegria e Amizade são construções simbólicas no campo da vadiação que garante para o resto da vida o estreitamento de laços afetivos e de identidades que em outros espaços urbanos não se observa.

Um passo à frente, movimento malandreado da capoeiragem matreira nos ensina a distância e o tempo certo para uma determinada ação. Como na vida, na capoeira existe tempo para tudo. A capoeira é um jogo de pergunta e resposta infinita.

É uma brincadeira que não acaba; é uma gira permanente. A prática da capoeira é como uma encruzilhada, permeada de possibilidades, por isso sua riqueza e o seu caráter crítico. Exige-se conhecimento, repertório e bagagem; o que a ciência chama de epistemologia.

Enfim, as verdades nas rodas da capoeira, na rua são realidades plurais. Ao se deparar com as verdades, o capoeira será capaz de traçar um caminho, dois, três ou quantos desejar para alcançar a vida boa que lhe fora reservado segundo a sua vontade. Que lhe fora reservado segundo os seus desejos, e que fora reservado segundo a sua estratégia.  A capoeira é uma luta. A capoeira é boa.

Pratique capoeira. Saravá

1 COMENTÁRIO

  1. damos graças que as verdades são visões diferenciadas e interpretações totalmente relevantes e pertinentes sobre a capoeira, mas todas irão se encontrar particularmente dentro de uma roda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui